Ouça agora na Rádio

N Notícia

MEC - Assessoria de Comunicação Social

FOTO: MEC - Assessoria de Comunicação Social

Conselho Nacional de Educação abre espaço para sugestões à última versão da BNCC

Órgãos, entidades, associações e interessados em contribuir com a melhoria da educação no Brasil já podem oferecer suas contribuições à última versão da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), entregue em abril ao Conselho Nacional de Educação (CNE) pelo MEC. Nesta quarta, 16, o CNE liberou uma ferramenta para que os interessados possam enviar suas sugestões: formulários virtuais, disponíveis na aba “contribuições” da página das audiências públicas na internet.

Segundo o presidente da comissão bicameral que analisa a BNCC, César Callegari, também membro da Câmara de Educação Básica, o objetivo é “sistematizar as informações e facilitar o recebimento pelo CNE, para, depois, ser utilizado pelos relatores no momento de preparar o parecer e a resolução finais”. Essa ferramenta, destaca, também “dará voz a todos interessados na discussão, em especial professores e alunos envolvidos no processo.”

Os modelos estão divididos por áreas de interesse, distribuídas em seis temas: documento introdutório; ciências humanas e sociais aplicadas; matemática e suas tecnologias; ciências da natureza e suas tecnologias; linguagens e suas tecnologias; e componente língua portuguesa. As contribuições poderão ser feitas até as 23h59 de 29 de agosto, data da última audiência pública a ser realizada pelo conselho, em Brasília (DF).

O MEC está auxiliando o CNE nas audiências públicas dessa etapa da Base. A primeira reunião foi realizada na semana passada, em Florianópolis (SC). Os encontros não têm caráter deliberativo, de acordo com o CNE, mas são essenciais para que o órgão elabore um documento normativo que reflita necessidades, interesses, diversidade e pluralidade do panorama educacional brasileiro, além dos desafios a serem enfrentados para a oferta de uma educação de qualidade a todos os estudantes.

O documento BNCC Ensino Médio, assim como ocorreu na etapa de elaboração da proposta para a educação básica (educação infantil e ensino fundamental), será o marco para orientar os currículos desta fase de ensino.

Áreas – Pela proposta entregue ao CNE, o MEC organizou a BNCC do Ensino Médio por áreas do conhecimento – linguagens, matemática, ciências da natureza e ciências humanas. As disciplinas de língua portuguesa e matemática aparecem como itens curriculares, sendo obrigatórias para os três anos do ensino médio.

A versão também sugere que os alunos deverão cobrir toda a BNCC em, no máximo, 1,8 mil horas-aula. Dessa forma, as 1,2 mil horas restantes devem ser dedicadas ao aprofundamento do que o estudante escolher como itinerário formativo, a ser desenvolvido pelos estados e escolas, auxílio do MEC, por meio de um guia de orientação e apoio na elaboração das propostas.

A proposta prevê, ainda, que as escolas poderão oferecer cursos formativos em cada área de conhecimento ou combinando com outras áreas diferentes. Outro ponto sugere a opção de oferta de itinerários relacionados a algum aspecto específico de uma área. Assim, os alunos poderão optar por uma formação técnico-profissionalizante, cursada na carga horária regular do ensino médio.

Acesse a página das audiências públicas par inscrever-se e para acessar os formulários de contribuição.

Esclareça suas dúvidas sobre a BNCC, etapa do ensino médio.

Assessoria de Comunicação Social

FONTE: MEC - Assessoria de Comunicação Social
Link Notícia