Ouça agora na Rádio

N Notícia

Cientistas russos conseguem fundir o impensável

FOTO: CC0 / Pixabay/Meditations

Cientistas russos conseguem fundir o impensável

Físicos russos necessitaram apenas de alguns minutos para fundir uma substância que tem a temperatura de fusão mais alta do mundo, o carboneto de háfnio.

Este metal se utiliza principalmente na fabricação de reatores nucleares. É tão forte que pode resistir às tensões térmicas que resultam do movimento de um avião hipersônico nas camadas densas da atmosfera. Todas as informações são da SPUTNIK NEWS.

Porém, até agora não tem sido fácil obter um produto monolítico deste material, que se funde aos 3.953 °C, enquanto que a temperatura máxima nos fornos modernos só alcança os 2.500 °C.

 Além disso, a tecnologia convencional supõe horas e horas para preparar uma mistura de pós de carbono e de háfnio. Depois ela é moída tão finamente quanto seja possível à temperatura mais alta possível. O material final resultante não só é caro, cerca de 770 euros por quilo, senão também é poroso, o que tem um efeito negativo nas suas propriedades físicas.

Apesar de tudo, cientistas do Instituto Budker de Física Nuclear, sediado na Sibéria, junto com seus colegas do Instituto de Química do Estado Sólido e Mecanoquímica, descobriram uma maneira mais eficaz e mais barata, informa o comunicado publicado pelo Instituto Budker.

 A nova tecnologia prevê em primeiro lugar colocar os pós num moinho de esferas e logo num acelerador de partículas da estação siberiana de radiação síncrotron da Academia de Ciências da Rússia. A etapa final emprega soldadura por feixe eletrônico.

De acordo com o chefe do estudo, Aleksei Ancharov, do Instituto de Química do Estado Sólido e Mecanoquímica, citado no comunicado, se pode aplicar esta nova tecnologia também em outros materiais com propriedades similares, principalmente carbonetos e boratos de metais refratários, como o tântalo, o tungstênio e o molibdênio.

FONTE: Sputnik News
Link Notícia