Ouça agora na Rádio

N Notícia

FDA aprova primeira terapia genética contra o câncer

FOTO: © Divulgação

FDA aprova primeira terapia genética contra o câncer

Tratamento utiliza células do paciente para tratar a condição de saúde

Todas as informações são do site de saúde e bem-estar MINHA VIDA, acesse ao site!

A Food and Drug Association, a agência federal de de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos, aprovou nesta quarta-feira a venda da primeira terapia genética do mundo para tratar pacientes com leucemia linfoblástica aguda com até 25 anos de idade.

 De acordo com o Hospital do Câncer de Barretos a Leucemia Linfoblástica Aguda é um tipo de condição de saúde em que os blastos, células primárias que posteriormente se tornarão linfócitos, não se desenvolvem normalmente; dificultando assim a criação de novas células, enfraquecendo assim o sistema imunológico do paciente.

O nome do tratamento é Kymriah e consiste em uma imunoterapia autóloga de células T (glóbulos brancos). Diferentemente dos tratamentos convencionais contra o câncer, como a quimioterapia e a radioterapia, ele tem como objetivo utilizar as próprias células do paciente para tratar a doença. Para isso, as células são coletadas e enviadas para um centro de fabricação, onde são geneticamente modificadas para incluir um novo gene que contém uma proteína específica para agir e matar as células de leucemia.

A meta é que o tratamento seja utilizados em pacientes que não apresentaram boa resposta imunológica aos tratamentos convencionais.

Para os pesquisadores o momento merece ser comemorado, pois representam uma nova perspectiva na inovação médica, e evidencia a possibilidade de reprogramar as células do próprio paciente para atacar um câncer mortal.

Em testes realizados com 63 pacientes pediátricos e adultos, o Kymriah obteve uma taxa de remissão de 83% em três meses.

No entanto, é importante ressaltar que o tratamento tem o potencial de causar efeitos colaterais graves, podendo causar febre alta, sintomas gripais e eventos neurológicos fatais.

O tratamento foi desenvolvido pela empresa Novartis em parceria com a Universidade da Pensilvânia

FONTE: MINHA VIDA
Link Notícia