Ouça agora na Rádio

N Notícia

Jean Maidana/SOSH

FOTO: Jean Maidana/SOSH

Construção da nova sede do IGP em Porto Alegre avança

Localizado às margens de um dos principais cartões postais de Porto Alegre, o Rio Guaíba, e na entrada da capital gaúcha, o Centro Regional de Excelência em Perícias Criminais do Sul será um marco na área de análises criminais para a Região Sul do Brasil. A construção, que também abrigará a nova sede do Instituto-Geral de Perícias (IGP), já está 41,65% concluída, conforme medição realizada pelos fiscais da Secretaria de Obras, Saneamento e Habitação (SOSH).

Com estrutura pré-moldada, o prédio terá 11,7 mil metros quadrados de área construída, distribuídos em sete andares e ocupando um terreno de 7,3 mil metros quadrados. O novo espaço, inédito no país, servirá como referência aos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná. “A estrutura permitirá treinamento e intercâmbio de conhecimento entre profissionais da área de todo o território nacional”, destacou o secretário de Obras, Saneamento e Habitação, Rogério Salazar.

A nova sede do IGP abrigará a administração central do órgão, as direções de departamento e todos os laboratórios responsáveis pelos laudos periciais. Após a conclusão da obra, o prédio reunirá diversos segmentos e setores da perícia criminal, permitindo a centralização dos serviços em um único local, assim como a redução dos gastos em aluguel e um ambiente adequado para os profissionais do IGP.

O trabalho de fundações, estrutura pré-moldada do prédio e das alvenarias de fechamento foi concluído. Atualmente, estão sendo terminados os serviços de alvenaria interna, e estão em andamento as instalações hidrossanitárias e o revestimento das alvenarias. “A cobertura do prédio está 80% concluída. Também estão em fase de instalação os dutos de climatização e a construção das bacias de contenção em estrutura pré-moldada”, informou a arquiteta e fiscal da obra, Alessandra Freitas Godinho.

A nova sede do IGP está orçada em R$ 29,2 milhões, sendo R$ 25,9 milhões de recursos do governo federal, com contrapartida do governo do Estado de R$ 3,3 milhões. O projeto foi elaborado e é fiscalizado pelo corpo técnico de arquitetos e engenheiros do departamento de Obras Públicas da SOSH.

Texto: Jean Maidana/Ascom SOSH
Edição: Sílvia Lago/Secom

 

FONTE: Portal do Estado do Rio Grande do Sul
Link Notícia